Categoria: Criminal Profiling

A psicopatia no ambiente corporativo – Investigação, Dissuasão e Prevenção de Fraudes

Este artigo aborda de forma sucinta a importância da avaliação de perfil no ambiente corporativo para a prevenção de comportamentos delituosos. Saber identificar o perfil do indivíduo de forma correta, auxilia no processo de contratação de colaboradores honestos. Outro ponto de grande relevância é a identificação do psicopata corporativo, ou também, o narcisista corporativo. Para efetuar uma boa contratação, é abordada também as questões referentes a Entrevista Cognitiva, que de forma adaptada, pode trazer benefícios consideráveis para o entrevistador e apoiar de forma eficiente a avaliação de presonalidades. Questões relativas a investigação, prevenção, dissuasão de fraudes, devem fazer parte do ambiente organizacional.

Devido a essas características, Fritzon (2020)  afirma que talvez nem sempre seja razoável esperar que o pessoal de RH, gestores ou outros profissionais internos tenham as habilidades e a expertise para realizar uma entrevista estruturada, detectando o engano, identificando inconsistências comportamentais e emocionais, desenvolvendo uma formulação de traços de caráter e capazes de incorporar ferramentas de avaliação dentro dos processos de entrevista. Sendo assim, recomenda-se que um profissional devidamente capacitado conduza entrevistas, podendo este ser um consultor contratado especificamente para aquela demanda em específco.

consulte Mais informação

Assassinato em Série – Perspectivas multidisciplinares para investigadores (FBI)

Muito do conhecimento do público em geral a respeito do assassinato em série é produto das produções de Hollywood. Os enredos são criados para aumentar o interesse do público, em vez de retratar com precisão o assassinato em série. Ao se concentrar nas atrocidades infligidas às vítimas por criminosos “loucos”, o público é cativado pelos criminosos e seus crimes. Isso só dá mais confusão à verdadeira dinâmica do assassinato em série.

Os profissionais da aplicação da lei estão sujeitos à mesma desinformação de uma fonte diferente: o uso de informações anedóticas. Profissionais envolvidos em casos de assassinato em série, como investigadores, promotores e patologistas podem ter exposição limitada ao assassinato em série. A experiência deles pode ser baseada em uma única série de assassinatos, e os fatores nesse caso são extrapolados para outros assassinatos em série. Como resultado, certos estereótipos e equívocos criam raízes em relação à natureza do assassinato em série e as características dos assassinos em série.

Uma tendência crescente que aumenta as falácias em torno do assassinato em série é o fenômeno das cabeças falantes . Dada a credibilidade da mídia, essas autoridades autoproclamadas afirmam ter experiência em assassinatos em série. Aparecem com frequência na televisão e na mídia impressa e especulam sobre o motivo dos assassinatos e as características do possível infrator, sem ter conhecimento dos fatos da investigação. Infelizmente, comentários inadequados podem perpetuar percepções errôneas sobre assassinato em série e prejudicar os esforços de investigação da aplicação da lei. Foi decidido pela maioria dos presentes emitir uma declaração formal de posição a respeito do uso que a mídia faz desse tipo de pessoa.

consulte Mais informação
Carregando