fbpx

Sobre

Petter Lopes - EXIN Certified

Petter anderson lopes

Perito (JudicialAssistente Técnico, Ad Hoc) em Computação Forense.

DPO Data Protection Officer – Consultor LGPD e GDPR/RGPD.

Juiz Arbitral, Árbitro Ad-Hoc no Direito Arbitral,

Consultor em Segurança da Informação,

Pentest, Auditoria e Análise de Vulnerabilidades.

Coordenador e Professor no Instituto Êxito

Professor de Pós Graduação em Cyber Security na BluEAD 

Contatos

(54) 99645-0777 

[email protected]

[email protected]

Facebook: https://www.facebook.com/digitalforense
Linkedin: https://www.linkedin.com/in/petter-anderson-lopes
Skype: petter.lopes

eForensics, Hakin9 e PenTest Magazine, Perfilhttps://eforensicsmag.com/meet-expert-petter-anderson-lopes/

Cadastro ativo

JFRS

(Justiça Federal do Rio Grande do Sul)

TJRS

(Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul)

MPRS/FRBL

(Ministério Público do Rio Grande do Sul no Fundo para Reconstituição de Bens Lesados área de Tecnologia da Informação) 

 

 

 

competências

Especialista em Desenvolvimento de Sistemas.

Graduado em Segurança da Informação, MBA em Gestão de TI.
Certificado pela ACE (ACCESSDATA CERTIFIED EXAMINER).
MCP, Certificado Especialista em Desenvolvimento pela Microsoft (Programming in HTML5 with JavaScript and CSS3 Specialist).
Certificado em Análise Forense Computacional e Advanced Penetration Test.

 DPO Data Protection OfficerLGPD e GDPR.

Privacy & Data Protection Pratictioner

Privacy & Data Protection FOUNDATION

 Caxias do Sul e região, Rio Grande do Sul, Brasil.

 

certificações

Confira minhas certificações e tenha a garantia que será atendido por um especialista com qualificações comprovadas.

publicações recentes

Acesse o blog e assine a newsletter e mantenha-se atualizado com o melhor conteúdo.

Processos seguros do ciclo de vida de desenvolvimento de software

Processos seguros do ciclo de vida de desenvolvimento de software

Este artigo apresenta informações gerais sobre processos, padrões, modelos de ciclo de vida, estruturas e metodologias existentes que oferecem suporte ou podem oferecer suporte ao desenvolvimento seguro de software. O relatório inicial emitido em 2006 foi atualizado para refletir as alterações.

As áreas de tecnologia e conteúdo descritas incluem estruturas e padrões existentes, como a estrutura Capability Maturity Model Integration 2 (CMMI), Team Software Process (TSP), 3 o FAA-iCMM, a Trusted CMM/Trusted Software Methodology (T-CMM/TSM) e o SSE-CMM (Systems Security Engineering Capability Maturity Model). Além disso, estão incluídos os esforços especificamente voltados para a segurança no SDLC, como o Ciclo de Vida de Desenvolvimento de Software de Computação Confiável da Microsoft, o Processo de Software de Equipe para o Desenvolvimento Seguro de Software (TSP SM-Segura), correção por construção, métodos ágeis e critérios comuns. Duas abordagens, o Software Assurance Maturity Model (SAMM) e o Software Security Framework (SSF), que foram lançadas recentemente, foram adicionadas para fornecer ao leitor o máximo de informações atualizadas possível.

Lei de Software – Propriedade Intelectual e Direito Atual

Lei de Software – Propriedade Intelectual e Direito Atual

Quem cria programa de computador é considerado autor de obra. E com relação ao contrato de trabalho?
No Brasil, programa de computador não é protegido por patente e sim por direito autoral.

A informação é considerada coisa móvel.

Roubo (Art. 157 do Código Penal – Decreto Lei 2848/40) – “Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistência: Pena – reclusão, de quatro a dez anos, e multa.”.

Furto (Art. 155 do Código Penal – Decreto Lei 2848/40) – “Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa”.

De acordo com o Parágrafo 2º do Artigo 2º da Lei número 9.609, conhecida como Lei de Software, o desenvolvedor de um software, possui o direito sobre a propriedade intelectual durante 50 anos começa a contar a partir do primeiro dia do ano seguinte ao de sua criação. No entanto, é recomendado que o criador do sistema registre a propriedade intelectual Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). O registro assegura e decreta os direitos do criador, e sua exclusividade com tal, sobre o software criado e descrito no registro, sendo assim, o correto é fazê-lo para que não existam brechas na comprovação da originalidade da criação de um software.

Aprenda mais no curso: https://www.udemy.com/course/engenharia-reversa-na-forense-digital/?referralCode=5966C95832C34E4D5E27

Precisa de ajuda?

+55 54 99645-0777

Petter Anderson Lopes. Todos os direitos reservados. 2019