OS CONCEITOS DA TEORIA DO CAOS

Caos refere-se ao que pode ser chamado de desordem ordenada. A ideia de Caos é casada com a de Complexidade. Sistemas complexos podem exibir comportamento caótico, o que não é uma falta de ordem, mas ordem de uma complexidade que é difícil ou impossível de descrever em termos simples, que não pode ser resolvida com equações simples, que requer narrativa complexa para descrevê-la. Os padrões em comportamento caótico estão presentes, mas não são regulares ou facilmente previsíveis.

Comportamento caótico não significa comportamento aleatório, mas comportamento que é irregular e variável. Padrões gerais podem ser analisados, mas comportamentos precisos de variáveis em tempos particulares não são preditíveis.

Os conceitos de Caos podem explicar o comportamento organizacional melhor do que as mais tradicionais explicações de gerenciamento científico, pois organizações são um fenômeno complexo e dinâmico. O estudo da Teoria do Caos tem sido definido como “o estudo qualitativo do comportamento instável, aperiódico em sistemas dinâmicos não-lineares, determinísticos”. Ela faz parte da Teoria dos Sistemas Dinâmicos, um ramo da Teoria de Sistemas com uma forte fundamentação matemática.

 

Termos e definições para a Teoria do Caos:

 

Qualitativo. O elemento de estudo qualitativo é claramente de interesse para o pesquisador de sistemas de informação que toma uma postura interpretativa. As interações de atores dentro da organização, e seu efeito em sistemas de informação são mais bem servidos por estudos narrativos que capturam padrões de comportamento e nos quais podem ser traçados caminhos de influência. Os padrões caóticos do comportamento organizacional na adoção de sistemas de informação não podem ser estudados pelo conjunto de informações num único ponto no tempo.

Instável. A Teoria do Caos daria suporte à ideia de que organizações e estruturas de Tecnologia da Informação nunca chegam a uma situação estável, madura. As coisas não só podem caminhar para trás, mas também para frente com saltos impreditíveis. Além disso, o comportamento instável da Tecnologia da Informação dentro de uma organização não resistirá a pequenas turbulências. Pequenas mudanças no estilo de gerência, mudanças em fornecedores, pequenas atualizações de software podem ter consequências catastróficas e inesperadas.

O efeito das condições iniciais e pequenos eventos na história de um desenvolvimento de Sistemas de Informação dentro de uma organização será amplificado por feedback. Essa é uma ideia chave da Teoria do Caos, que o estado futuro de um sistema, por exemplo, o departamento de Tecnologia da Informação ou um sistema de informação de negócios particular numa organização, depende de um estado anterior. Eventos passados e história sempre terão um efeito impreditível e característico na atividade presente e em planos futuros.

Aperiódico. Sistemas caóticos não manifestam nenhum padrão fixo ou permanente. Tal comportamento aperiódico é altamente complexo e permanentemente sensível a pequenas perturbações. Uma visão caótica de sistemas de informação deve também ser uma visão de contingência, admitindo a importância do contexto, ao mesmo tempo espacial e histórico no desenvolvimento de um sistema de informação.

 

Petter Anderson Lopes

Petter Anderson Lopes

Perito Judicial em Forense Digital, Criminal Profiling & Behavioral Analysis

Especialista em Criminal Profiling, Geographic Profiling, Investigative Analysis, Indirect Personality Profiling

CEO da PERITUM – Consultoria e Treinamento LTDA.

Perito em Forense Digital, Investigação de Fraudes | Perfilação Criminal e Análise Comportamental | OSINT, HUMINT | Autor e Professor | SI, Arquitetura Segura e Software Developer

Certified Criminal Profiling pela Heritage University(EUA) e Behavior & Law(Espanha), coordenado por Mark Safarik ex diretor da Unidade de Análise Comportamental do FBI, endossado pela CPBA (Criminal Profiling & Behavioral Analysis International Group).

Certificado em Forensic Psychology (Psicologia Forense, Entrevista Cognitiva) pela The Open University.

Certificado pela ACE AccessData Certified Examiner e Rochester Institute of Technology em Computer Forensics.

CBO 2041-10  "Elaboram laudo pericial, organizando provas e determinando as causas dos fatos. Realizam diligências, examinando locais, buscando evidências, selecionando e coletando indícios materiais e encaminhando peças para exames com ou sem quesitos. Analisam provas, peças, materiais, documentos e outros vestígios relacionados aos fatos. Efetuam cálculos, medições, assim como, solicitam e/ou realizam ensaios laboratoriais, utilizando e desenvolvendo técnicas e métodos científicos"

FEATURED

Cursos populares

Curso Perito Forense Digital

Atualizações constantes

Seja um Perito Forense Digital

 A estrutura essencial para você poder entrar no mercado da perícia digital.

Neste curso de 20h, você encontrará aulas de conhecimento obrigatório para quem deseja se aventurar na Forense Digital. Compreendendo OSINT, Forense em Memória, Forense em e-mails, introdução à Investigação, Inteligência Cibernética e muito mais.

Operadores da lei que desejam entender os procedimentos iniciais de uma atuação na perícia digital e alguns exemplos de análise/exame de material digital coletado. Compreender os princípios básicos da Forense Digital. Os conceitos irão fazer a diferença na sua carreira profissional.

OSINT - Investigação Cibernética em Fontes Abertas

Certificado em Investigação Cibernética em Fontes Abertas

(OSINT, HUMINT, SIGINT)

Este curso irá te apresentar conceitos, técnicas e ferramentas para conduzir uma Investigação Cibernética em Fontes Abertas. Aqui será possível entender como fazer a investigação e manter-se no anonimato, investigar incidentes cibernéticos para apoio a equipes de resposta a incidentes. São abordados também assuntos como Criminal Profiling e o Ciclo de Inteligência do FBI, ampliando a visão no processo de investigação.

.

Curso Perfilação Indireta da Personalidade

Certificado

Curso - Introdução à Perfilação Indireta da Personalidade

A aplicação da Perfilação Indireta da Personalidade permite uma avaliação da personalidade do sujeito sem que ele saiba que está sendo avaliado, por meio de seus comportamentos e relações interpessoais. É uma técnica para coletar informações sobre a personalidade tanto da vítima quanto do agressor e a relevância da personalidade cruzada entre ambos.
Qual a contribuição para Análise de Credibilidade e Investigação de Fraudes? Qual a sua importância para  a Entrevista (forense, recrutamento e seleção, em casos de negociação com reféns, negociação empresarial, interrogatório, etc...)? É útil conhecer a personalidade de alguém para planejar uma intervenção policial com ele? A personalidade pode nos ajudar a entender por que um determinado crime ocorreu? É útil com um entrincheirado? com uma testemunha? com fonte humana? Para preparar um disfarce para um agente disfarçado? Para esclarecer um crime simulado?
Importante também no procedimento de autópsia psicológica.
Conteúdo:
1.Criminal Profiling;
2.Perfil Criminal;
3.Negociação (Com reféns, comercial, etc…);
4.Persuasão;
5.Entrevista (vítimas, suspeitos, testemunhas, …);
6.Levantamento de informações de fontes humanas (HUMINT);
7.Atendimento ao público (clínicas, hospitais, etc…)

.

Engenharia Reversa na Forense Digital - Udemy

Em nova plataforma

Atualizações constantes

Certificado em Engenharia Reversa e Análise de Malwares na Forense Digital

Aqui você compreenderá a utilização da Engenharia Reversa aplicada em Forense Digital, bem como a Análise de Malware.

O curso aborda diversos conceitos de forma prática. O estudo é baseado, em sua maioria, no .NET e .NET Core, pois é uma tecnologia que está sempre em evolução, sendo adicionada inclusive em Linux e MAC, ou seja, com o .NET Core, agora é multiplataforma.

Introdução ao Criminal Profiling

Análise de casos reais

Curso - Introdução ao Criminal Profiling

O Criminal Profiling é o processo de observação e reflexão com base na análise das evidências coletadas na cena do crime . A técnica de criação de perfil visa identificar e interpretar o comportamento ou as ações do crime com o objetivo de prever a personalidade do infrator, seu modus operandi e, possivelmente, as motivações para o crime. O objetivo da definição de perfil é, no entanto, não apenas obter uma possível identificação de características importantes do ofensor, mas também evitar a repetição de crimes semelhantes no futuro.

Aqui você conhecerá:

O que é Criminal Profiling?
A História do Criminal Profiling
A Psicologia Investigativa
Método BEA
Vitimologia
Transtornos de personalidade
Mass Murder, Spree Killer, Serial Killer
Predador Sexual em Série, Mitos
Abordagem Geográfica, Clínica, Top Down, Bottom Up
Modus Operandi e Assinatura
Coleta e Processamento de informações
Avaliação do crime
Hipóteses de perfil
Uso investigativo